UERJ UERJ Mapa do Portal Contatos
Menu
Home > Atualidades > Notícias
1 em cada 3 brasileiros que diz ter coleta seletiva não separa o lixo, aponta Datafolha

25/06/2024

É quase uma unanimidade: a reciclagem é considerada algo importante para o futuro do país e do mundo por 99% dos brasileiros, segundo pesquisa do Datafolha que investigou a percepção da população e suas práticas cotidianas de separação de resíduos.
Se a escassez de coleta seletiva é um gargalo, já que apenas 32% dos municípios brasileiros têm alguma coleta deste tipo, segundo dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (Snis), a presença desse serviço também não é garantia de separação de resíduos.
A pesquisa aponta que 54% dos brasileiros afirmam ter coleta seletiva onde moram. Mesmo assim, 1 em cada 3 (33%) dos que têm acesso a esse serviço não separa seus resíduos recicláveis em casa.
De abrangência nacional, a pesquisa entrevistou 2.010 pessoas em 112 municípios de todas as regiões do país, entre os dias 13 e 21 de maio. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.
"Os dados mostram a necessidade de expansão da coleta seletiva e, ao mesmo tempo, o desperdício desse serviço, que é pago com recursos públicos das prefeituras e nem sempre é aproveitado pela população", avalia Flávio Ribeiro, consultor em economia circular e conselheiro do Pacto Global da ONU para a área.
Por outro lado, com ou sem coleta, 71% da população brasileira diz separar resíduos recicláveis —51% dizem o fazer sempre, 17%, só de vez em quando e 4%, raramente. Esse engajamento destoa dos dados oficiais sobre reciclagem no país. O Brasil só recicla 4% de seus resíduos sólidos com esse potencial.
"Se existe todo esse ânimo da população em fazer a separação de materiais recicláveis, por que isso ainda não se reverteu em um processo de aproveitamento de resíduos e de aumento da reciclagem no Brasil? Hoje em dia, aterros sanitários e, infelizmente, lixões estão repletos de materiais recicláveis", afirma Carlos da Silva Filho, presidente da ISWA (International Solid Waste Association) e conselheiro da ONU para o tema.
Para ele, faltam incentivos para o desvio de resíduos de unidades de destinação final, como aterros, e seu encaminhamento a processos mais avançados de tratamento. "A população pode até separar, como indica a pesquisa, mas, como a coleta seletiva e a triagem têm custo alto, esse esforço muitas vezes acaba se perdendo no processo."
Segundo Silva Filho, cidades que têm serviços estruturados de coleta seletiva e triagem de resíduos recicláveis não utilizam toda a sua capacidade porque não recebem resíduos suficientes.
"Cada uma das duas centrais de triagem da cidade de São Paulo, por exemplo, tem capacidade para triar 250 toneladas de resíduos por dia, mas só recebe em torno 150 toneladas. O caminhão sai vazio e volta batendo lata porque a população não separa o suficiente", afirma.
Por outro lado, se o país reciclasse muito mais, a capacidade instalada seria insuficiente. "Se a gente tivesse a coleta de 30% de todos os recicláveis domiciliares, não teríamos capacidade instalada de reciclagem para receber tudo isso", afirma Elisabeth Grimberg, coordenadora de projetos de resíduos sólidos e agroecologia do Instituto Pólis.
Esse paradoxo do reciclagem no país é reforçado por outro dado da pesquisa: 85% avaliam que atitudes individuais contribuem para a sustentabilidade e o meio ambiente —índice que sobe entre pessoas de 16 a 24 anos (88%), com maior renda (89%) e com nível superior de ensino (91%).
"É um dado muito relevante porque revela o potencial para a cidadania ativa dos brasileiros, de fazer pressão para que governos das três esferas desenvolvam políticas públicas mais efetivas para a substituição de materiais pela indústria e para o fim da obsolescência programada de produtos", diz Grimberg.
Ela destaca que, segundo o artigo 33 da PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos), é responsabilidade de fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes custear a coleta seletiva e a triagem de materiais. "A lei tem 14 anos, e os fabricantes e importadores driblaram a regra."
Para ela, o fato de 85% dos entrevistados declararem saber que resíduos domésticos devem ser separados em três frações (orgânicos, recicláveis e rejeito) para coleta e de 71% declararem que separam resíduos em casa é muito significante. "Isso porque a gente sabe que não existem programas permanentes de comunicação e sensibilização da população para o tema."

Conclua esta leitura acessando a Folha de S. Paulo

Novidades

1 em cada 3 brasileiros que diz ter coleta seletiva não separa o lixo, aponta Datafolha

25/06/2024

É quase uma unanimidade: a reciclagem é considerada algo importante para o futuro do país e do mundo...

Preguiça, desconhecimento e falta de tempo: por que brasileiros não separam resíduos em casa

25/06/2024

Entre os brasileiros que afirmam ao Datafolha não separar resíduos recicláveis do lixo doméstico, 42...

Em 38 anos, um em cada quatro hectares do Brasil pegou fogo

25/06/2024

Quase um quarto (23%) do território nacional foi queimado pelo menos uma vez no Brasil entre os anos...

Esquema de créditos de carbono buscou grilar 3,5 mi de hectares e instalar hidrelétricas, afirma PF

25/06/2024

O suposto esquema de geração de créditos de carbono em áreas griladas na amazônia, investigado pela ...

Ação na África do Sul gera 7 princípios para criar áreas verdes urbanas

25/06/2024

Na África do Sul, a desigualdade social é imensa. E com ela vem também a desigualdade de acesso a ár...

Um dos felinos mais raros do mundo sai da lista de animais ameaçados de extinção

25/06/2024

Divulgada nesta quinta-feira (20), uma notícia boa trouxe esperança: o lince ibérico (Lynx pardinus)...